Menu

4.11.19

{Resenha} O Segredo de Frida Kahlo


Editora: Planeta Brasil
Sinopse: Com ingredientes que não podem faltar na cozinha de ninguém – paixão, romance, dor, traição, luxúria e drama –, esta mistura de realidade e ficção desvenda a fascinante vida de Frida Kahlo Mais do que a emocionante história de Frida Kahlo, esta envolvente narrativa de Francisco Haghenbeck revela um delicioso segredo da artista mexicana: seu livro de receitas, o “Livro da erva santa”. Era nele que Frida anotava seus mais saborosos pratos, que encantaram personalidades como Diego Rivera, Leon Trótski e tantos outros. Depois de sofrer um terrível acidente de bonde e morrer pela primeira vez, a ousada e intrigante artista Frida Kahlo encontra sua Madrinha, a Morte, com quem faz um acordo: para voltar a viver, a artista deverá preparar todos os anos uma oferenda para lembrar seu pacto. A partir de então, Frida passa a anotar cada banquete de Dia dos Mortos em um caderno de capa preta, guardado com todo zelo. Esse pequeno caderno ganha o nome de “Livro da erva santa”. Enquanto a promessa se cumpre, a existência de Frida se desenvolve de modo impetuoso, cheia de arrebatamento e dor. Ela conhece o homem com quem compartilhará a vida – Diego Rivera – e que marcará o começo de sua segunda morte. Juntos irão saborear a traição e também a paixão pela arte. Frida Kahlo amou e desejou com loucura, mas viveu dias emprestados; seu corpo dolorido e destroçado jamais lhe permitiu esquecer que sua Madrinha arrancava-lhe a alma pedaço por pedaço, e o encontro final entre elas estava sempre à espreita.


A figura enigmática de Frida sempre me despertou muita curiosidade. Suas obras - repletas de autorretratos, aliás - com cores vives e temáticas sempre ligadas à vida pessoal daquela que as idealizou são temas de discussão e admiração até hoje. Sua imagem é fortemente ligada ao movimento feminista e eu não fazia ideia do quanto eu não sabia sobre ela. Houve, aqui, uma aula de história acima de tudo.

Encarei este livro como uma mescla entre biografia não autorizada, fantasia e cultura mexicana. Contando sua história (ou sua sina, eu diria) desde o nascimento até seus momentos finais, Haghenbeck brinca com a figura da Morte que sempre rodeou Frida - a poliomielite adquirida na infância, os perigos da Revolução Mexicana, o acidente de bonde... Muitos foram os percalços que nossa protagonista enfrentou. Quando se viu presa a cama, entediada, afundando na depressão, foi que a pintura lhe ofereceu refúgio. Pintando sentimentos e momentos íntimos de sua vida, encontramos nas obras de Kahlo uma biografia por si só. 

"Pinto a mim mesma porque sou sozinha e porque sou o assunto que melhor conheço."

A obra também me fez entender melhor a ligação de Frida com o feminismo. Frida nunca negou sua sexualidade; sempre teve vários amantes - homens e mulheres -, viveu um relacionamento abusivo com Diego Rivera mas nunca deixou de viver outros amores. Frida nunca negou a anatomia da mulher que era, mesmo que isso causasse enojamento: retratou-se, inclusive, em mais de uma obra, menstruando após seus abortos. Havia ainda o corpo fora do padrão que nunca foi maquiado em telas. Tudo nela emanava liberdade e emancipação.

"Diego, houve dois grandes acidentes na minha vida: o bonde e você."

 É uma história triste mas calorosa - difícil explicar. As receitas culinárias mexicanas que intercalam os capítulos do livro tentam dar ares de suavidade ao texto e um toque cultural "extra". Vale a pena a leitura seja pela biografia, pelo retrato do feminismo ou simplesmente pelo livro de receitas mexicanas; aproveitei as três vertentes do livro e o coloquei entre meus favoritos deste ano.




{Resenha} Starters - Lissa Price


Editora: Novo Conceito 
Sinopse: Seu mundo mudou para sempre. Callie perdeu os pais quando a Guerra dos Esporos varreu todas as pessoas entre 20 e 60 anos. Ela e seu irmão mais novo, Tyler, estão se virando, vivendo como desabrigados com seu amigo Michael e lutando contra rebeldes que os matariam por uma bolacha.
A única esperança de Callie é Prime Destinations, um lugar perturbado em Berverly Hills que abriga uma misteriosa figura conhecida como o Old Man. Ele aluga adolescentes para alugar seus corpos aos Terminais — idosos que desejam ser jovens novamente. Callie, desesperada pelo dinheiro que os ajudará a sobreviver concorda em ser uma doadora. Mas o neurochip que colocam em Callie está com defeito e ela acorda na vida de sua locadora, morando em uma mansão, dirigindo seus carros e saindo com o neto de um senador.Parece quase um conto de fadas, até Callie descobrir que sua locatária pretende fazer mais do que se divertir — e que os planos de Prime Destinations são tão diabólicos que Callie nunca podia ter imaginado…

Starters passou um bom tempo parado na minha estante; não sei o porquê, mas ele simplesmente havia perdido o encanto. Nos últimos dias, porém, depois de ler Skywalker e ter ficado com um sentimento de "vazio literário", olhei para Starters com outros olhos. Era um livro de ficção científica, infanto-juvenil, com uma protagonista feminina, provavelmente com um romancezinho meia-boca (que eu adoro! Haha)... Então era justamente dele que eu precisava!

Em um cenário pós-guerra onde todos os adultos de 20 a 60 anos deixaram de existir, os Starters - aqueles com 19 anos ou menos - não tinham muitos direitos. Se não fossem agraciados com a presença de um avô ou avó para protegê-los, estavam fadados a morar nas ruas, fugindo dos inspetores do governo que tratam as crianças e adolescentes com um inconveniente problema social.

Contrapondo toda a miséria em que vivem os Starters em sua maioria, os Enders (como são conhecidos aqueles com 60 anos ou mais) gozam de plenos direitos e muito, muito luxo. Com o avanço da medicina, eles conseguiam chegar facilmente aos 200 anos e desfrutar de tudo aquilo que o dinheiro podia comprar, incluindo corpos mais jovens. A empresa Prime Destinations era muito discreta, mas seus serviços de conectar a mente de Enders aos corpos alugados de Starters sem família já eram muito conhecidos. Os Enders ganhavam dias (ou meses) vivendo em corpos jovens e saudáveis, fazendo tudo aquilo que a idade avançada não os deixava mais fazer; e os Starters, em troca, recebiam promessas de grandes quantidades de dinheiro que garantiriam um futuro seguro, longe das ruas e dos inspetores.

Callie é uma Starter. Seus pais faleceram após o ataque com os mísseis de esporos biológicos. Hoje, sua única família é seu irmão Tyler, com 7 anos de idade e uma doença provavelmente incurável. Com a companhia de Michael (um antigo vizinho também adolescente), os irmãos Underwood vivem fugindo, de um prédio abandonado a outro. Mas as condições de vida estão insustentáveis e a doença de Tyler apenas piora. Callie, então, decide que a única maneira de contornar a situação é alugar seu corpo para os Enders por intermédio da Prime Destinations. Algumas semanas "dormindo" enquanto um Ender usa seu corpo em troca de dinheiro suficiente para comprar uma casa e viver bem por vários anos... bem, parece uma troca justa.

Mas as aparências enganam. A conexão cerebral entre Callie e sua inquilina - como chamam uma Ender que ocupa o corpo de uma Starter - é fraca, e ela acorda durante um aluguel. Tenta manter as aparências e agir como uma inquilina, mas percebe que aquela não era uma inquilina normal: sua inquilina estava envolvida em um plano para matar. Callie não queria comprometer o seu aluguel e a promessa da fortuna que tanto precisava, mas não podia deixar a inquilina retomar seu corpo e continuar com aquele plano, então, era preciso agir.

E é com essa ação toda que começamos Starters! Parece tudo meio surreal no início mas o que eu poderia esperar de um livro infanto-juvenil de ficção? Depois que "entrei na onda", ficou bem mais fácil aproveitar a leitura - que, aliás, foi super rápida. Durante a leitura, a autora vai deixando inúmeras lacunas e fica bem difícil desgrudar do livro até preenchê-las; porém você preenche uma lacuna e ela lhe apresenta mais duas, ou seja: a gente tem que ler de uma vez.

O livro é repleto de reviravoltas. Quando eu começava a criar uma linha de raciocínio e criar algumas certezas acerca da trama, tudo era revirado e eu conseguia apenas ficar (levemente) boquiaberta e esperar a próxima reviravolta.

Durante a leitura, eu estava me preparando para vir aqui e falar que o triângulo amoroso era totalmente previsível (embora fofinho). Porém nas paginas finais, ele virou algo totalmente imprevisível e um pouquinho... asqueroso, por falta de palavra melhor. Só eu sei o quanto eu gosto de um triângulo amoroso bem juvenil, haha, mas nunca li algo assim. Ainda estou em dúvida se odiei ou amei essa abordagem da autora, talvez eu descubra no próximo volume.

Sim, temos continuação - como toda ficção científica infanto-juvenil de respeito, haha. Lissa Price terminou sua obra com muitas perguntas e deixou minha cabeça cheia de hipóteses. Mal vejo a hora de ler o segundo volume e descobrir se pelo menos uma delas vai se concretizar. Starters se mostrou um livro bacana pra ler num fim de semana em que você quer uma leitura leve mas intrigante, com um toque de romance adolescente bobo - ou seja, tudo aquilo que eu adoro, então, está mais que recomendado!


3.11.19

O Soldador Subaquático - Jeff Lemire



O graphic novel narra a história de Jack Joseph, um soldados subaquático de uma plataforma de petróleo. Ele é viciado em trabalho e isso piora quando seu filho está prestes a nascer. Jack tem um trauma que o atormenta há anos e por isso não consegue viver o presente direito. Não consegue aproveitar os momentos que tem com sua esposa grávida e acaba sempre se refugiando com o trabalho. Uma dúvida lhe assola: será que ele está preparado para ser pai? Porém, Jack vai descobrir que ficar sem as pessoas que ama é muito pior do que qualquer outro medo.

O Soldador Subaquático é um graphic novel que fala sobre como os traumas familiares acabam muitas vezes impedindo alguém de viver. Os esqueletos do passado sempre estarão ali para te atormentar, porém o que fará a diferença é modo como os enfrenta. Nosso protagonista, está tão atormentado com um período de sua infância que não se dá conta que o que tem no hoje é mais importante.



“Sei que há esperança. Então, vou mergulhar. E continuarei mergulhando até encontrar o caminho de volta para você.”

Confesso que algumas lágrimas foram roubadas quando li O Soldador Subaquático. A história nos toca e comove com seu relato de perdas e encontros. E que no fim, nós só precisamos nos arriscar para termos aquilo que sempre quisemos ter. É lindo demais!!! Agora já estou imensamente curiosa com outras graphics novels do autor Jeff Lemire. Sei que ele tem outras graphics novels publicadas também pela editora Intrínseca e Nemo. Já quero!