Menu

21.4.20

{Resenha} As Sombras de Outubro - Søren Sveistrup



Editora: Suma
Nº Páginas: 416
Ano:2019

Sinopse:

É outubro e a neve de outono começa a cair em Copenhagen, deixando os dias mais curtos e as noites mais sombrias... e pelas ruas geladas e escuras, um psicopata aterroriza a cidade. Em uma manhã tempestuosa em um tranquilo bairro de Copenhagen, a polícia faz uma descoberta sinistra: o corpo de uma mulher brutalmente assassinada, com uma das mãos faltando. 

Sobre ela está pendurado um pequeno boneco feito de castanhas. O caso é entregue à ambiciosa detetive Naia Thulin e a seu novo parceiro, Mark Hess, um investigador introspectivo que acabou de ser expulso da Europol.

Logo se descobre uma evidência ligando o sr. Castanha a uma garota desaparecida há um ano: a filha da política Rosa Hartung. 

O homem que confessou tê-la sequestrado e assassinado está atrás das grades e o caso foi encerrado há tempos ― e qualquer insinuação contrária causa disputas e inimizades na corporação. 

No entanto, quando novas vítimas e novos bonecos aparecem, Thulin e Hess acham cada vez mais difícil ignorar a conexão entre o caso Hartung e o novo serial killer.

Mas que conexão seria essa? E como impedir o assassino de continuar sua caçada, se ele parece sempre um passo à frente da polícia?

As Sombras de Outubro traz o melhor do estilo thriller noir, acrescentando ao suspense clássico uma boa dose de energia. 

Sveistrup retrata seus personagens com sensibilidade e mostra como romances policiais podem fazer críticas contundentes às realidades sociais.


Um ano antes a filha de uma importante política de Copenhagen desaparece misteriosamente, após uma investigação rapidamente um suspeito é acusado e preso, mas o corpo nunca foi encontrado, um ano após essa tragédia uma mulher é encontrada morta em sua própria casa com um misterioso boneco de castanha próximo ao corpo.

Thulin e Hess são designados para essa investigação, a medida que novas pistas vão aparecendo, outros corpos com a mesmas características vão surgindo e sempre com um boneco de castanha ao lado do corpo, um fato estranho sobre esses bonecos é que as digitais da filha desaparecida da ministra foram encontradas neles, o que trás uma reviravolta para a investigação dos assassinatos dessas mulheres.

Hess começa a investigar esses bonecos em outras cenas de crime e chega a conclusão de que estão mais perto de achar o assassino e descobrir o que realmente aconteceu com a filha de Rosa Hartung e qual a ligação da menina com esses bonecos. 

Ao mesmo tempo em que a investigação avança, Rosa sofre diversas ameaças que não são levadas muito a serio por seu gabinete, o que provoca uma grande tensão entre ela e a policia. O mais intrigante é que o assassino sempre está a um passo a frente da policia, provocando algumas desavenças entre eles.

Não se dando por vencidos Hess e Thulin seguem outra linha de investigação, que acabam levando ambos diretamente para as mãos do assassino, que no fim é alguém totalmente improvável.

Pra quem ama thriller simples e puro super indico esse livro, capítulos curtos que não deixa a leitura cansativa, pra pessoas que procuram um "Q" de romance nessa estória, vai se decepcionar com essa leitura. 

Particularmente não curti muito essa leitura pelo fato de as coisas demorarem a acontecer, não consegui me apegar a nenhum personagem, mas é o que eu sempre falo, o que não da certo pra mim não significa que não dará pra vocês, então leiam e tirem suas conclusões e me contem o que acharam!!
















20.4.20

{Resenha} Agora e para sempre, Lara Jean




Título Original: Always and forever, Lara Jean

Autora: Jenny Han

Editora: Intrínseca

Sinopse: Em Para todos os garotos que já amei, as cartas mais secretas de Lara Jean — aquelas em que se declara às suas paixonites platônicas para conseguir superá-las — foram enviadas aos destinatários sem explicação, e em P.S.: Ainda amo você Lara Jean descobriu os altos e baixos de estar em um relacionamento que não é de faz de conta. 
Na surpreendente e emocionante conclusão da série, o último ano de Lara Jean no colégio não podia estar melhor: ela está apaixonadíssima pelo namorado, Peter; seu pai vai se casar em breve com a vizinha, a sra. Rothschild; e sua irmã mais velha, Margot, vai passar o verão em casa. Mas, por mais que esteja se divertindo muito — organizando o casamento do pai e fazendo planos para os passeios de turma e para o baile de formatura —, Lara Jean não pode ignorar as grandes decisões que precisa tomar, e a principal delas envolve a universidade na qual vai estudar. A menina viu Margot passar pelos mesmos questionamentos, e agora é ela quem precisa decidir se vai deixar sua família — e, quem sabe, o amor de sua vida — para trás. 
Quando o coração e a razão apontam para direções diferentes, qual deles se deve ouvir?


Resenha: Para todos os garotos que já amei

Resenha: P.S., ainda amo você

Estava muito ansiosa por esse livro! E tive que compra-lo duas vezes, acreditam?

Etive em São Paulo nas minhas férias deste ano e visitei a Saraiva... Ele foi o único livro que comprei, auto controle demais de minha parte, né? Depois, eu e meu marido fomos almoçar... Na volta ao hotel, acompanhada de todas as minhas sacolas de compras, notei que faltava uma: a sacola em que estava o livro! Quase surtei. Meu marido diria que eu surtei, mas foi quase, tá?!

Mais ou menos isso...

Não tinha muito como voltar ao restaurante, então meio que fiquei deprê na cama até a hora de sairmos de novo. No dia seguinte... Encontrei outra Saraiva (segundo meu marido, eu farejei a Saraiva...), cacei o livro e comprei-o novamente! Mas só esse mês consegui colocar todas as leituras do blog em dia e pude me permitir a degustar essa obra maravilinda da Jenny Han, o fechamento da estória de Lara Jean!

Este livro é a continuação de seu antecessor, então é recomendável que você leia os anteriores antes de pegar esse! E também é provável que a resenha tenha alguns poucos spoilers dos livros anteriores, mas vou evitar o máximo que eu puder, ok?

Lara Jean está na reta final do ensino médio. Está muito feliz com Peter, seu círculo de amigos agora faz parte dos amigos mais próximo dele, embora Chris ainda seja presente. Porém, ela tem outros planos e mais adultos que sua melhor amiga. 

Ela sonha em ir para a universidade da cidade onde mora, que fica próximo de sua casa e que irá lhe permitir correr para lá sempre que quiser ou precisar. A UVA foi onde sua mãe estudou e onde ela tem memórias muito agradáveis com a mãe e suas irmãs, mas mais com Margot do que Kitty. Porém, é muito competida e difícil de entrar, então ela possui mais duas outras opções que não são tão próximas assim. Todos acreditam que ela já está dentro e Peter foi aceito no ano na UVA anterior por ser jogador de lacrosse e, aparentemente, dos bons.

A ansiedade de Lara Jean domina seu comportamento: está freneticamente em busca do cookie perfeito! Testa vários modos e várias receitas para encontrar uma perfeita, come dos cookies que possuem a fama de serem os melhores do país... Mas nada, é impossível! Sua ansiedade só muda de alvo – e ela para de fazer sua família e seus amigos se empanturrarem de cookies – quando precisa ajudar a Sra. Rothschild a organizar o casamento. 

Só uma pessoa não está feliz com o casamento e o modo como a namorada que o pai Song levou para casa. Margot, durante suas férias, faz de tudo para mostrar sua insatisfação e para provocar o sempre tão calmo honorável pai. Dá para perceber que é completamente infantil. Até Kitty se irrita com isso!

E, falando em Kitty, essa menina dá um show cada vez melhor! Decidida, sabe o que quer e sabe como fazer para conseguir! Às vezes parece mais adulta que as duas irmãs mais velhas, embora se esforce para manter-se uma criança mimada. E o quanto as irmãs se esforçam para cuidar dela o melhor possível... Claro, e o pai também. 

É uma família muito bonita de se observar, algo como uma família ideal, mesmo com seus altos e baixos. Lara Jean deseja fazer coisas que adolescentes fazem, como deixar o namorado entrar pela janela do quarto quando todos já foram dormir, fazer uma viagem escondida de seu pai, coisas assim. Mas ela sempre se lembra da expressão de decepção do pai e desiste. Não quer em momento algum magoá-lo ou decepcioná-lo. Nenhuma das irmãs Song querem decepcionar quem ama e nem o pai quer decepcioná-las. É bonito, de verdade. Não corresponde à realidade da grande parte das famílias, imagino... Mas é bonito acreditar que famílias assim existam.

Grandes surpresas aguardam os leitores nesse livro de despedida da família Song. Tem um quê de adeus em muitos aspectos, de Lara Jean dos amigos, do passado, da escola, de quem ela era. E muitos outros “adeus”, um deles mais triste do que qualquer outro. 

Vemos como o desespero bate quando nos agarramos a coisas que muitas vezes são impossíveis de serem mantidas. Quando a lógica bate forte na vida e nas decisões que nossa protagonista precisa tomar, a possibilidade de cair e o quão necessário é a força daqueles que nos cercam e a nossa própria para não deixar isso acontecer. Quando ela acredita que já havia decidido como seria sua vida, se programado... 

Este é um livro saudosista. A autora já o escreveu com saudade da personagem e da família que criou. Foi o final perfeito para uma série perfeita. A li em menos de 24 horas, tamanho a delícia e o prazer que a leitura causa. A capa nos apresenta uma Lara Jean vintage, com cores românticas e pastéis, suaves como a personagem. A diagramação é simples com fonte de um tamanho bom de se acompanhar.

Eu queria que houvessem mais livros da Lara Jean! A faculdade é o novo começo!!! Tantas novas aventuras!!!



“Nunca diga não quando quer mesmo dizer sim.”